Infâncias de meninas

A escrita de si, o diário, a confissão ou a autobiografia, são formas de conhecimento e individuação. São espaços de memória de memória e invenção – ficções de si.

Os olhares que o biógrafo-biografado lança sobre a vida são, em geral, olhos de adulto, do velho que relembra, reflete, reconta, inventa. Olhares da saudade, de partida – de quem vê tudo pela última vez (Hemingway?). Muitas vezes, essas memórias da infância nos parecem, à leitura, muito mais lógicas, ajustadas, que a infância vivida, esse jardim do Éden, a Macondo pessoal que cada um tem a sorte de viver mais ou menos. Outras vezes são distantes, como se contadas por alguém que não as viveu.

Vendo a infância acontecer na minha frente, percebo muito mais o domínio do campo do afeto que do discurso, da lógica e da razão. Também da violência, do impulso, de uma meta-lógica bastante peculiar. Maravilhas.

Na sexta série, a professora de literatura nos passou para ler um livro raro, desses que capta todo o sentimento da infância na literatura. Anos e anos depois, essa história se costurou à minha vida e foi o primeiro livro que comprei para Cecilia.

Linda capa da edição que li na sexta série.
Linda capa da edição que li na sexta série.

Olhinhos de gato narra a infância de Cecília Meireles. Órfã, criada pela avó, ela conta o mundo por onde flanou quando era menina com uma riqueza de metáforas; simbolista, quase; poesia vertida em prosa. Quando li a primeira vez, me pareceu que ele tinha sido escrito pela menina Cecília. Quando reli, à espera da minha menina Cecilia, continuou me parecendo um livro infantil. Sinto que aquela foi a infância de Cecília Meireles.

metafisicadostubos A metafísica dos tubos vai em uma direção muito distinta, mas Amélie Nothomb me pareceu, sempre, muito precisa no diagnóstico que faz da infância – da dela, da de muitas de nós – cruel e irônica. Se ler Cecília me dá a dimensão do que sentem as crianças, ler Nothomb sempre me pareceu um excelente diagnóstico do que as crianças pensam sobre o mundo. Ela vê a infância heterodoxa que viveu – belga no Japão – da distância da adulta, mas eu acredito que foi aquilo que ela viveu.

Gosto de voltar a esses livros, minhas autobiografias infantis preferidas, e que ainda por cima são livros escritos por mulheres, que falam de um universo de meninas-mulheres. ​Daqui a um tempo, minhas visitas serão guiadas com Cecilia. Vamos descobrir como outras meninas construíram esses castelos nas nuvens chamados infância.

​”Olhinhos de gato” está esgotado. Comprei na Estante virtual. Tem aqui

“A metafísica dos tubos” também está esgotado.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s